terça-feira, 7 de maio de 2013

Sobre sonhos, e o fim de um era.

Semana de comemoração do meu primeiro dia das mães efetivo me fez pensar em muitas coisas. Desde a semana passada que eu to preparando um post especial sobre os 6 meses dela, e meio que bloqueei o dia das mães da minha cabeça, EXCETO o presente, que eu to incomodando o papai da Juju o tempo todo hehe. Mas ai ontem ele me perguntou qual restaurante eu queria ir, já que a mãe era eu, e o "presente" era pra mim. A ficha caiu!
Caraca, passou tão, mas tão rápido esse ultimo ano!! Dia das mães do ano passado foi a "revelação da gravidez", foi a primeira sessão de fotos da, ainda inexistente, barriga! Ainda não tinha a Juju, era o baby (e uma certeza que se mostrou muito errada, que seria um menino). Eu ainda não tava na vibe maternidade, ainda queria festa, badalação, ainda queria continuar a faculdade de design, e ainda não comia feijão!

12/05/2012, esticando a barriga ao máximo, 4 meses de "pré-Ju"

Ai parei pra pensar em tudo que mudou, em todas as coisas que eu aprendi (e que cada dia eu aprendo mais), e em como a minha vida mudou!
E percebi que, independente da felicidade com a Jucoleta, eu to feliz por quem eu me tornei. Por toda a pesquisa cientifica (Sim, pesquisa científica, artigos, provas e o que mais vier) que eu faço quase que diariamente pra dar o melhor pra ela, e pra mim, e pro mundo. Por que quando a gente vira mãe, a gente não quer mais achismo pra gente, e principalmente pra cria. A gente quer fatos, pesquisa, ação e aventura. Por que não basta ser mãe, tem que mergulhar de cabeça nesse mundo cor-de-rosa. E eu to assim, apesar das 58 frutas da semana, posso até errar, mas erro conscientemente. Sei que a chupeta não faz bem, mas ela passa um período longe de mim, e aonde fica a chupetância sem o peito? Tem que aceitar o plano B, imposto pelo resto da família nessas horas, mas tudo com o máximo de consciência.

Há um ano eu tinha vários sonhos, vários planos, e hoje eu nem lembro quais eram. Minha vida mudou tanto, que eu nem faço questão de lembrar. Ou faço, só pra deixar registrado como eu era, e o que eu me tornei. Hoje o que eu mais quero é a saúde, o bem estar e a felicidade dela, do meu pacotchinho. Mas não só dela. Quero um mundo mais humano, que respeite as pessoas, que não coloque o consumo acima da saúde. Fico revoltar ao ouvir tantas historias de bebês colocados na mamadeira de NAN, de chazinho, de alimentação antes dos 6 meses e coisas desse tipo. E quero que isso acabe, por que sei que a vida pode ser muito melhor se seguir passos tão simples e baratos. Posso ser repetitiva pra quem não vive essa realidade, mas quem ta passando por isso, são assunto relevantes que nos perseguem todos os dias. A geração anterior a nossa foi "estragada" por uma sociedade tecnológica demais, consumista demais, e que preza pelo status, não pelo bem estar.

E vejo que meu sonho hoje é poder passar pra minha filha valores que até então parecem ultrapassados, mas que temos um pessoal bem legal tentando mostrar que é o melhor jeito de viver! E aos poucos vamos nos juntando, pra transformar não só o meu sonho, como o de tanta gente em realidade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário